sábado, 31 de agosto de 2013

Tarte rústica de tomate e manjericão

Vi esta receita no Saving Room for Dessert e resolvi adaptar. Ficou uma tarte fabulosa, como uma galette salgada, ótima como entrada, como prato principal numa refeição leve, num lanche ajantarado ou para levar na marmita. A massa vegan, feita com milho triturado, foi uma descoberta fantástica.




Ingredientes:

Massa:

2 maçarocas de milho (cerca de 275 g de grãos de milho)
3 1/2 colheres de sopa de nata de soja
Sumo de meio limão
250 g de farinha de trigo integral
45 g de farinha de milho
5 g de sal (1/2 colher de chá)
75 ml de óleo de milho

Recheio:

900 g de tomate chucha bem maduro
45 g de manjericão fresco
250 g de tofu
2 colheres de sopa rasas de amido de milho
Azeite
Sal
Pimenta


Tirar as folhas da maçaroca e, com uma faca, retirar os grãos. Colocá-los no liquidificador, juntamente com o sumo de limão e a nata de soja. Triturar até obter um creme.

Noutro recipiente, juntar a farinha de trigo, a farinha de milho e o sal. Misturar bem e abrir uma cova no meio. Nessa cova, verter o creme de milho e o óleo.

Com uma colher de pau, envolver os líquidos na farinha. Quando estiver envolvido, amassar com as mãos durante alguns minutos. Enrolar a bola de massa em película aderente e levar ao frio durante 30 minutos.

Entretanto, cortar o tomate em rodelas. Dispor duas toalhas lavadas uma por cima da outra, e por cima espalhar as rodelas de tomate, sem as sobrepor. Salpicar com meia colher de chá de sal grosso e deixar repousar 20 minutos. Após este tempo, secar bem as rodelas de tomate com papel absorvente.

Retirar a massa do frio. Dispor duas folhas de película aderente sobrepostas na bancada. Colocar a massa no centro e dispor duas folhas de película aderente sobrepostas por cima. Tender com o rolo da massa até obter uma circunferência. Com a ajuda da película, colocar a massa num tabuleiro de ir ao forno, que se coloca no congelador durante 10 minutos.

Forrar um outro tabuleiro de ir ao forno com papel vegetal e salpicar com uma colher de sopa de farinha de milho. Retirar a película aderente de cima e, com a ajuda da de baixo, virar a massa sobre a farinha de milho. Retirar a segunda camada de película aderente.

Juntar o manjericão picado com o tofu cortado aos cubinhos pequenos. Temperar com sal e pimenta.

Colocar esta mistura no centro da massa. Por cima, salpicar com uma colher de amido de milho.

Em redor, dispor rodelas de tomate, deixando uns 15 cms de distância das bordas da massa. Dispor as restantes rodelas por cima do tofu e salpicar com o restante amido de milho e cobrir com um fio de azeite.

Fechar as bordas da massa por cima do tomate. Levar ao forno a 210º durante 35 minutos. Deixar repousar durante 10 minutos. Salpicar com o restante manjericão e servir.



E vista de cima

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Bolo de frutos vermelhos

Um bolinho simples, fantástico para levar para a praia ou para saborear ao pequeno-almoço.




Ingredientes:

3 ovos
150 ml de azeite
100 ml de leite de soja (ou um iogurte de soja natural)
130 g de açúcar
230 g de farinha
1 colher de chá de fermento
250 g de frutos vermelhos (mistura de amoras, morangos, cerejas, framboesas, groselhas e mirtilos)


Bater os ovos com o azeite no liquidificador. Adicionar o leite ou iogurte de soja.

Juntar 150 g de frutos vermelhos e bater até triturar.

Verter a mistura para a cuba da batedeira. Adicionar o açúcar e bater. No final, acrescentar a farinha e o fermento e bater bem.

Envolver os restantes frutos vermelhos, que se deixam inteiros. Levar ao forno em forma de buraco untada com azeite e deixar cozer durante 45 minutos a 180º.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Guisado de chícharos

Os chícharos são um tipo de leguminosa que era muito comum em Portugal, sobretudo no centro. Era chamada a comida dos pobres, porque eram normalmente comidos em época de escassez, mas eram muito comuns na nossa gastronomia. Caíram em desuso em meados do século passado, provavelmente devido a essa má fama, mas os chícharos são, como todas as leguminosas, ricos em nutrientes e muito versáteis. Hoje em dia, volta a plantar-se e a promover-se esta leguminosa muito portuguesa - até há um Festival do Chícharo em Alvaiázere (distrito de Leiria), que decorre todos os anos desde 2003!

Para aumentar a confusão, em algumas zonas das Beiras, o feijão frade é denominado chícharo. Provavelmente são aparentados, mas não estamos a falar do mesmo alimento. Estes, encontrei-os numa Feira de Produtos Nacionais e em boa hora!

Nenhum guisado que se preze pode prescindir da cenoura! Este claro que as utiliza, e por essa razão participo na 5ª edição da Escolha do Ingrediente, iniciado pelo Tertúlia da Susy. Este mês, o anfitrião é o Fornadas de Miminhos e o ingrediente é a cenoura.





Ingredientes:

240 g de chícharos secos
1/2 chouriço de carne
1 cebola
3 dentes de alho
1 alho francês
2 cenouras
200 ml de vinho branco
6 colheres de sopa de polpa de tomate
4 colheres de sopa de salva picada
Azeite
Sal
Pimenta


Deixar os chícharos de molho em água de um dia para o outro.

Cozer na panela de pressão (com bastante água e um pouco de sal) durante 30 minutos. Escorrer, reservando a água.

Refogar a cebola e os alhos picados no azeite. Acrescentar o chouriço e deixar fritar.

Adicionar o alho francês e a cenoura partidos às rodelas, bem como o vinho. Deixar em lume alto até começar a ferver. Nessa altura, acrescentar a polpa de tomate e 200 ml da água de cozedura dos chícharos. Baixar para lume brando, tapar e deixar fervilhar durante 10 minutos.

Adicionar os chícharos cozidos. Envolver bem e deixar fervilhar em lume brando durante 30 minutos.

Retirar do lume, temperar com sal e pimenta e juntar as folhas de salva picadas. Envolver bem e servir com arroz branco.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Filetes no forno

Um prato de peixe, receita do meu pai, que era um sucesso na família na altura da minha adolescência. Aqui, adaptado a intolerantes à lactose, visto que a receita original usava manteiga e natas de leite.






Ingredientes:

800 g de filetes (pescada ou peixe-gato)
8 dentes de alho
100 g de pão ralado (sem lactose)
200 ml de nata de soja
Azeite
Sal
Pimenta


Cortar os filetes em dois e temperar com pimenta.

Picar os alhos muito finos. Aquecer uma frigideira com um fundo de azeite e fritar os alhos, com cuidado para não queimar. Acrescentar metade dos filetes, dourando-os de ambos os lados e espalmando-os contra os alhos. Temperar com sal.

Retirar e passar por pão ralado (ao qual se misturou uma dose generosa de pimenta). Dispô-los num prato de ir ao forno, de modo a não se sobreporem.

Repetir para os restantes filetes.

Aquecer as natas na frigideira, aproveitando o líquido libertado pelo peixe e os alhos que sobraram. Quando o molho aquecer, regar os filetes. Levar ao forno a 200º durante 20 minutos.

Servir com arroz branco e salada.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Risotto de espargos e limão

Esta receita vem do livro de Nigel Slater, The Kitchen Diaries, de que já falei aqui várias vezes. É um livro de que gosto muito, que tem uma história especial, e recorro às suas sugestões várias vezes.

Esta receita em particular é uma das que já foi confecionada várias vezes cá em casa. Se houvesse prato sem o qual não poderia passar, seria provavelmente este. Por essa razão, concorro com esta receita no passatempo de aniversário do Cozinha Em Sarilhos - Assuntos Açucarados e Salgados.





Ingredientes:

320 g de espargos verdes frescos
200 g de arroz arborio (arroz para risotto)
1 cebola
150 ml de vinho branco
1 limão
2 colheres de sopa de nata de soja
3 colheres de sopa de azeite
Sal
Pimenta


Colocar ao lume uma panela com água e sal. Quando ferver, juntar os espargos e deixar cozer dois minutos. Retirar os espargos e reservar a água, mantendo quente.

Descartar os talos rijos dos espargos e cortar o restante em troços de mais ou menos dois centímetros.

Ralar a casca do limão. Espremer o sumo de uma metade.

Picar a cebola e refogá-la no azeite. Quando estiver transparente, adicionar o arroz. Ir mexendo para não pegar; quando o arroz corar, juntar o vinho. Deixar absorver, mexendo sempre, após o que se adiciona uma concha de sopa do líquido de cozedura dos espargos. Deixar absorver, mexendo com cuidado, e repetir a operação.

Depois de três conchas, juntar os espargos cortados. Voltar a acrescentar líquido e continuar até o arroz estar cozido (cerca de 5 - 6 conchas). Neste momento, acrescentar o sumo de meio limão e a raspa. Envolver.

Temperar com sal e pimenta, adicionar a nata de soja, mexer bem e servir imediatamente.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Bolo de tomate com cobertura de caramelo

Bolo de tomate? Sim, leram bem! Já o tinha visto no Tertúlia de Sabores e voltei a encontrá-lo, com uma cobertura deliciosa de caramelo, no Chindeep.

Já experimentei tudo e mais alguma coisa, porque não um bolo de tomate? A história é gira, como é contada na Tertúlia de Sabores:  durante a grande depressão americana, as donas de casa tinham acesso a poucos ingredientes frescos. Vai daí, inventaram um bolo com o que tinham, usando poucos ovos, pouca gordura e um ingrediente mistério - polpa de tomate.

Se já usei beterraba, espinafres, cenoura, curgete, abóbora e mais não sei quantas coisas estranhas em bolos, porque não dar uma oportunidade ao tomate? Afinal, o doce de tomate com canela é um clássico da doçaria portuguesa.

A receita vem do mesmo blogue e foi adaptada para intolerantes à lactose. A cobertura é inspirada na do Chindeep.




Ingredientes:

75 ml de óleo de milho
175 g de açúcar amarelo
1 ovo
210 g de polpa de tomate
150 g de farinha de trigo integral
1 colher de chá de fermento
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 pitada de noz moscada em pó
3 cravinhos
1/2 colher de chá de canela
1/2 colher de chá de gengibre em pó

Cobertura:

2 colheres de sopa bem cheias de açúcar mascavado escuro
1/2 colher de sopa de óleo de milho
125 ml de nata de soja
1 pitada de sal


À polpa de tomate, juntar o bicarbonato. Mexer e reservar.

Bater o açúcar com o óleo. Em seguida, acrescentar o ovo, mexendo bem. Juntar a polpa de tomate, os cravinhos pisados no almofariz e as restantes especiarias. No final, adicionar a farinha e o fermento e bater bem.

Levar ao forno a 180º durante cerca de 35 minutos. Aos 20 minutos de cozedura, cobrir com papel de alumínio para a superfície do bolo não queimar.

Deixar arrefecer.

Numa frigideira anti-aderente, colocar o açúcar até começar a caramelizar. Desligar o lume, juntar o óleo, o sal e a nata de soja. Mexer bem e cobrir o bolo.


domingo, 25 de agosto de 2013

Perna de peru com alecrim e Madeira

Para quem come carne, o peru é uma das carnes mais saudáveis, pelos baixos níveis de gordura. Embora a perna seja o corte mais gordo, ainda assim é uma carne pouco calórica, sobretudo se o molho utilizado não acrescentar muita gordura, como é o caso.





Ingredientes:

1 perna de peru (cerca de 2 kg)
7 dentes de alho
1 ramo de alecrim
2 folhas de louro
Sumo de 1 limão
2 colheres de chá de pimentão doce
1 colher de café de paprika picante
2 dl de vinho Madeira
16 batatas
Sal
Pimenta
Azeite


Dar uns cortes na perna de peru. Colocar numa assadeira, regar com o sumo de limão e temperar com sal e pimenta.

Salpicar com uma colher de pimentão doce, a paprika picante, o louro partido aos bocados, o alecrim e o alho picado.

Deixar marinar durante 45 minutos.

Pelar e cortar as batatas aos quartos. Temperar com sal, uma colher de pimentão doce e um fio de azeite.

Regar a carne com um fio de azeite (muito pouco, visto que a própria carne irá libertar a sua gordura) e o vinho Madeira. Levar ao forno a 200º durante 1 hora e 15 minutos, com a zona da pele virada para cima. Ao mesmo tempo, colocar as batatas no tabuleiro de baixo.

Ao longo da cozedura, ir regando com o molho que fica na assadeira. Quando a pele ficar tostada, colocar o tabuleiro da carne em baixo e o das batatas em cima, de modo a proteger a carne, que assim recebe o calor menos diretamente e portanto não seca.

Retirar do forno, cortar e servir com as batatas assadas e salada.


sábado, 24 de agosto de 2013

Bolo de café e nozes

Quem gosta de café? Nós e a Minoushka do Passion Culinaire! Inspirei-me nesta receita deste blogue e com algumas adaptações, saiu um bolo saborosíssimo!

Para quem gosta do sabor a café e de sobremesas de café, este é o bolo a experimentar!






Ingredientes:

Bolo

1 colher de chá bem cheia de café instantâneo
4 ovos
240 g de farinha de trigo integral
175 g de açúcar amarelo
150 ml de óleo de girassol
55 g de nozes partidas
1 colher de chá de fermento
1 pitada de sal

Cobertura

6 colheres de sopa de açúcar em pó
1 café expresso


Bater os ovos com o açúcar. Juntar o café instantâneo.

Adicionar o óleo e mexer bem.

Juntar a farinha, o fermento, o sal e as nozes partidas grosseiramente.

Levar ao forno a 180º durante 35 minutos. Retirar e deixar arrefecer antes de desenformar.

Juntar os ingredientes da cobertura, mexendo bem, e verter sobre o bolo.


sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Frango com endívias e cogumelos

O site Marmiton tem muitas vezes sugestões deliciosas, acompanhadas com vídeos engraçados. Este é um deles, que me levou a adaptar esta receita. E que bem que saiu!

Acompanhado por uma bela baguette caseira, para ensopar no molho e lamber os dedos!





Ingredientes:

500 g de peito de frango
2 endívias
15 cogumelos
1 cebola
100 g de bacon
1 colher de sopa de farinha integral de trigo (ou de arroz para uma versão sem glúten)
1 colher de sopa de aguardente velha
50 ml de nata de soja
2 colheres de sopa de salsa picada
Azeite
Sal
Pimenta


Cortar o frango em cubos e salpicar com a farinha.

Refogar no azeite até ficar dourado. Regar com a aguardente velha e temperar de sal e pimenta. Mexer mais dois minutos e retirar. Reservar.

Entretanto, picar a cebola e o toucinho. Juntar ambos à frigideira com mais um pouco de azeite e refogar até a cebola ficar transparente.

Cortar a endívia em pedaços, juntar à cebola e cozinhar tapado em lume brando durante 20 minutos.

Fatiar os cogumelos e juntar à panela, bem como o frango, voltando a tapar. Deixar cozinhar 15 minutos e no final acrescentar as natas de soja. Envolver.

Retirar do lume, retificar os temperos e polvilhar com a salsa picada.

Servir com uma salada e uma boa baguette, à maneira francesa. Ver aqui a receita!

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Tarte de cerejas

Nunca tinha feito tarte de cerejas. E para complicar ainda mais a tarefa, resolvi fazer também uma experiência com a massa, inventando uma nova receita. Saiu uma tarte vegan, pronta para levar para um lanche com amigos, e foi bem recebida.






Ingredientes:

Massa:

215 g de farinha de trigo branca
85 g de farinha de trigo integral
100 g de açúcar em pó
5 colheres de sopa de sumo de laranja natural
100 ml de óleo de girassol
1 colher de sopa de óleo de sésamo
2 colheres de sopa de água
Uma pitada de sal

Recheio:

1200 kg de cerejas
120 g de açúcar amarelo
85 g de farinha de milho
Sumo de meio limão
10 vagens de cardamomo verde (opcional)


Começar por fazer a massa. Juntar as farinhas, o açúcar em pó e o sal numa taça de vidro e misturar bem. Abrir uma cova no meio.

Na cova, colocar os óleos, o sumo de laranja e a água. Começar por envolver com um garfo; quando estiver suficientemente homogéneo, amassar com as mãos até obter uma massa lisa.

Deixar repousar tapada com um pano durante 40 minutos.

Nesse intervalo, arranjar as cerejas (dará cerca de 1 kg, depois de retirados os pés e os caroços). Juntar à fruta o açúcar, a farinha de milho e o sumo de limão e misturar bem. Adicionar as sementes do cardamomo, se as usar, e descartar as vagens.

Na bancada, esticar uma folha de película aderente. Colocar a massa no centro e por cima colocar outra folha de película. Tender a massa com o rolo.

Cortar um círculo grande e forrar a tarteira. Colocar as cerejas por cima.

Com a massa restante, fazer tiras, que se dispõem à superfície, fazendo um quadriculado.

Levar ao forno a 200º durante 1 hora.




A fatia



quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Bolo de batata doce e coco

Descobri esta receita no Amando Cozinhar e resolvi experimentar. Uma delícia! Ainda tinha batata doce de Aljezur para gastar, e nada melhor do que um docinho para levar para um churrasco à beira da piscina.

A foto não ficou fantástica (esqueci-me de levar a máquina, teve que ser tirada com telemóvel...), mas o sabor estava de comer e chorar por mais!





Ingredientes:

800 g de batata doce
3 ovos
330 g de leite condensado de soja (disponível no mercado em latas, mas também é possível fazê-lo em casa; vejam aqui a receita do Not Guilty Pleasure)
100 g de coco ralado
4 colheres de sopa de óleo de girassol


Cozer as batatas em água. Quando cozidas, escorrer e deixar arrefecer.

Quando conseguir manuseá-las, tirar-lhes a pele e esmagar com um garfo.

Bater os ovos. Juntar a batata doce e bater bem. Adicionar o leite condensado e o óleo.

Por fim, envolver o coco ralado.

Levar ao forno a 180º durante 45 minutos.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Magret de pato com molho de maracujá

Depois da experiência dos queques de maracujá e whisky, pareceu-me que essa mesma combinação poderia ficar boa num molho para acompanhar o magret de pato. O magret (ou peito de pato) é um dos cortes mais chiques deste animal e faz refeições sofisticadas.

A combinação desta carne com molhos adocicados funciona sempre bem - o clássico molho de frutos vermelhos é sempre uma aposta ganha. Pensei que o molho de maracujá também seria uma boa associação, e é. Mas continuo a preferir o molho de frutos vermelhos.






Ingredientes:

2 magrets de pato
200 ml de polpa de maracujá
50 ml de whisky
1 colher de chá de amido de milho
1 colher de chá de melaço de cana
Sumo de meio limão
1 dente de alho
Sal
Pimenta
Piri-piri
Azeite


Dar uns cortes diagonais na pele do pato. Temperar o magret com pimenta e reservar.

Picar o dente de alho e refogar no azeite. Quando começar a alourar (não deixar que queime, senão estraga o sabor do molho), juntar a polpa de maracujá e o whisky. Deixar em lume esperto durante 5 minutos, destapado, para evaporar o álcool.

Juntar o amido de milho a 100 ml de água. Juntar esta mistura ao maracujá, juntamente com o mel de cana. Manter em lume brando, mexendo sempre até espessar.

Adicionar o sumo de limão, temperar com sal, pimenta e uma pitada de piri-piri. Reservar, mantendo quente.

Colocar uma frigideira anti-aderente ao lume. Quando estiver bem quente, colocar a carne, com a parte da pele virada para baixo. Deixar fritar até dourar a pele, cerca de 5 minutos em lume forte.

Virar para o outro lado e fritar o tempo necessário para atingir a cozedura preferida - cerca de 3 minutos para ficar mal passado, cerca de 6 minutos para médio.

Fatiar os magrets, temperar com flor de sal e verter o molho por cima. Servir com batatas e espinafres salteados.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Lasanha de cogumelos

Há muito tempo que não fazia uma lasanha. Raramente faço lasanha de carne, tendo sempre para a lasanha vegetariana. Impossível de comer em restaurantes para quem é intolerante à lactose, é um daqueles pratos que têm que ser feitos em casa se queremos deles desfrutar.

Ir a restaurantes pode ser uma prova difícil quando uma pessoa descobre que é intolerante à lactose. A lactose está por todo o lado, nos produtos mais insuspeitos. Os restaurantes mais seguros deste ponto de vista são os de cozinha asiática - os chineses e os japoneses não usam laticínios, bem como os tailandeses e os vietnamitas - e os restaurantes vegan, pelas razões óbvias.

De resto, não é fácil - o mais complicado são as pizzarias, com pizzas e pratos de massas repletos de queijo, natas e béchamel. Alguns restaurantes italianos de maior qualidade apresentam alternativas interessantes - o esparguete com alho e azeite ou pratos de carne e peixe saborosos. Mas de um modo geral, a pasta está interdita. A não ser que seja feita em casa, claro!




Ingredientes:

250 g de placas de lasanha (fresca ou comprada)
430 g de cogumelos brancos
1/2 alho francês (a parte branca)
3 dentes de alho
160 g de pimento vermelho
1 cenoura
2 tomates
3 colheres de sopa de polpa de tomate
Um molho pequeno de salsa
Sal
Pimenta
Azeite

Molho:

700 ml de leite de soja
2 colheres de sopa de azeite
3 colheres de sopa mal medidas de farinha de trigo integral
Sal
Pimenta
Noz moscada


Picar finamente os alhos e o alho francês. Levar a refogar em azeite.

Picar os cogumelos em cubinhos pequenos e o pimento e o tomate em cubos maiores. Ralar a cenoura.

Quando o alho francês tiver murchado, acrescentar o pimento e a cenoura, reduzir para lume brando e deixar cozer durante 20 minutos.

Juntar então os cogumelos com os cubos de tomate, acrescentar a polpa de tomate e envolver bem. Deixar cozinhar em lume brando mais 15 minutos.

Retirar do lume, temperar de sal e pimenta e juntar a salsa picada.

Entretanto, levar um tacho com fundo anti-aderente ao lume. Aquecer o azeite para o molho e acrescentar a farinha, mexendo bem. Assim que começar a dourar, juntar o leite de soja e deixar cozer em lume brando, mexendo de vez em quando. O molho vai engrossar ligeiramente, mas vai ficar com uma consistência mais líquida do que o molho béchamel normal.

Untar um tabuleiro de ir ao forno com azeite. Colocar uma camada de placas de lasanha (não deve ocupar todo o fundo do tabuleiro, para ter espaço para crescer) e cobrir com o molho (cerca de 5 a 6 colheres de sopa). Por cima, dispor uma parte dos legumes. Voltar a cobrir com placas de lasanha, cobrir de molho e em seguida os vegetais. Repetir o procedimento até terminar os ingredientes, acabando com uma camada de lasanha. Regar generosamente com o resto do molho. A massa deve ficar bem coberta, para não secar.

Para quem gostar, pode salpicar-se com queijo de soja ralado. Embora não faça um gratinado como o queijo normal, dá um toque tostado e crocante.

Levar ao forno a 180º tapado com um papel de alumínio durante 30 minutos. Retirar o papel de alumínio e deixar cozinhar mais 30 minutos, ou até dourar a superfície.




domingo, 18 de agosto de 2013

Broinhas sem glúten

Uma receita sem lactose e sem glúten, adaptada das broinhas de coco brasileiras. Estas levaram também sumo de lima, que lhes deu um toque especial. No entanto, não resultou tão bem como eu gostaria, explico-vos porquê:

Nesta receita, usei tapioca em pérola, moída no moinho de café. Não aconselho, porque é difícil moer completamente e ficam pedaços demasiado duros (as bolinhas que vêem nas bolachas são isso mesmo). É preferível usar farinha de mandioca.




Ingredientes:

35 g de sementes de linhaça
145 g de farinha de milho
200 g de farinha de mandioca
50 g de coco ralado
Sumo e raspa de 1 lima
115 g de açúcar amarelo
1 colher de chá de aroma de baunilha
150 ml de óleo de milho
1 colher de chá de fermento (sem glúten)
Uma pitada de sal


Moer as sementes de linhaça. Acrescentar cinco colheres de sopa de água, mexer bem. Adicionar o aroma de baunilha e reservar.

Juntar as farinhas, o fermento, o coco, o açúcar e o sal. Envolver bem.

Adicionar a linhaça e o óleo. Misturar e, em seguida, juntar a raspa e o sumo da lima.

Amassar com as mãos. Dispor pequenas porções de massa em tabuleiros de ir ao forno forrados com papel vegetal. Achatar com as costas de uma colher.

Levar ao forno a 190º durante 18 minutos, até começarem a dourar nas margens.




Aqui já sem as bolinhas! Resulta bem!

sábado, 17 de agosto de 2013

Tarte de maçã

Fomos convidados para jantar em casa de amigos, que se deram ao trabalho de procurar fazer uma sobremesa sem lactose. É sempre a parte mais difícil da refeição, evitar os laticínios nas sobremesas!

O nosso amigo deu-se ao trabalho de procurar e procurar, tentando encontrar uma margarina que não tivesse lactose na sua composição. Encontrou imensas marcas que apregoam que são 100% vegetal, mas que depois usam soro de leite e outros ingredientes que tais. Não foi fácil, mas como ele é persistente, lá acabou por encontrar uma margarina de soja apta para a cozinha! A maior parte das margarinas de soja disponíveis no mercado não são adequadas para cozinhar porque se degradam a altas temperaturas, servindo portanto apenas para barrar.

Mas esta marca que ele encontrou resultou bem na sua tarte! Claro que eu tive que experimentar a receita depois em casa, mas substitui a margarina por óleo de amendoim. É que eu desconfio das margarinas, porque algumas têm gorduras transgénicas e hidrogenadas na sua composição, por isso nunca as tenho em casa.




Ingredientes:

6 maçãs pequenas
Sumo de 1 limão
1 ovo inteiro + 2 gemas
130 g de açúcar amarelo
130 ml de óleo de amendoim
170 g de farinha de trigo integral
2 colheres de chá de fermento
1 pitada de sal
Açúcar em pó

Descascar as maçãs, cortá-las em quartos e laminá-las sem chegar até baixo. Regar com o sumo de limão.

Bater os ovos e o açúcar. Juntar a margarina e o líquido das maçãs e mexer. Acrescentar a farinha e o fermento e envolver bem.

Deitar o preparado numa forma de tarte. Por cima, colocar os quartos de maçã com a parte laminada virada para cima. Levar ao forno a 180º durante 50 minutos ou até ficar dourada por cima e bem cozida por dentro.

Desenformar e polvilhar com açúcar em pó.


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Pato à moda chinesa

O peito de pato é uma iguaria muito apreciada cá em casa. O magret faz as delícias do pessoal, com molhos e acompanhamentos diferentes, que são sempre um sucesso. Mas por vezes os magrets que compramos são grandes demais, razão pela qual sobra uma parte do peito do pato, que é utilizada em outras ocasiões. Esta receita, de inspiração chinesa, é uma das preferidas.






Ingredientes:

150 g de peito de pato
160 g de bróculos
200 g de couve flor
1 noz de gengibre
1 cenoura grande
1 cebola
3 cebolos
1 curgete pequena
75 g de pimento verde
1 colher de sopa de óleo de sésamo
1 colher de sopa de molho de soja
Pimenta preta
Flor de sal


Partir os bróculos e a couve flor em ramos pequenos e cozer em água com sal, tendo o cuidado de não deixar os legumes cozerem demais, de modo a não ficarem espapaçados. Para isso, assim que atingirem o ponto, devem ser retirados da água.

Cortar a cebola em bocados grandes e a cenoura em rodelas. Picar os cebolos e o gengibre e cortar a curgete em cubos, bem como o pimento.

Cortar o peito de pato em fatias. Untar com óleo de sésamo e temperar com pimenta preta e um pouco de flor de sal.

Aquecer o wok. Quando estiver bem quente, juntar o pato e deixar fritar de ambos os lados alguns minutos em lume forte.

Retirar. À gordura que ficou, acrescentar a cebola, sempre em lume vivo. Quando começar a ficar corada, juntar os cebolos picados. Deixar fritar até a cebola começar a queimar nas pontas. Retirar e juntar à carne.

Colocar no wok o pimento, a cenoura e o gengibre e fritar um minuto, após o que se adiciona o molho de soja. Baixar a temperatura para lume brando e deixar cozer dez minutos.

Juntar a curgete e deixar cozer mais cinco minutos.

Acrescentar a carne e a cebola que se reservou e os bróculos e a couve flor cozidos e escorridos. Misturar tudo. Se necessário, adicionar um pouco mais de molho de soja e pimenta preta.

Salpicar com cebolinho picado e servir com arroz branco.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Hambúrgueres de lentilhas e cogumelos

No Cooking Light, encontrei esta receita. Fi-los na sexta feira à noite para o almoço de sábado e foram um sucesso! Repletos de proteína e de sabor, mais uma opção vegetariana que vale a pena experimentar.





Ingredientes:

200 g de lentilhas castanhas
200 g de cogumelos brancos
1 cebola pequena
2 dentes de alho
100 g de pão ralado (sem lactose)
2 colheres de chá de mostarda à antiga
2 colheres de chá de tomilho fresco
1 colher de sopa de polpa de tomate
Azeite
Sal
Pimenta


Cozer as lentilhas em 400 ml de água.

Refogar a cebola e o alho picados em azeite. Quando a cebola estiver transparente, juntar os cogumelos laminados.

Juntar as lentilhas cozidas, os cogumelos refogados com a cebola e o alho, a polpa de tomate e a mostarda. Triturar tudo com a varinha mágica.

Temperar com sal, pimenta moída e tomilho fresco e envolver.

Juntar o pão ralado. Misturar bem e moldar os hambúrgueres (dez de tamanho médio).

Levar ao frio durante pelo menos duas horas, coberto com película aderente. Pode deixar-se de um dia para o outro.

Levar ao forno a 180º durante 20 minutos.

Depois de estarem no frio, podem também ser congelados. No momento de os usar, colocá-los no forno sem descongelar e cozer durante 30 minutos.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Bolo de ananás e coco

Tirei esta receita do blogue Su Delícia. Adaptei-a ao gosto cá de casa et voilà! Uma maravilha para o pequeno-almoço do fim de semana!






Ingredientes:

4 ovos
150 g de açúcar
125 ml de óleo de milho
50 ml de sumo de ananás
260 g de farinha integral
4 rodelas de ananás
60 g de coco ralado


Bater os ovos com o açúcar.

Juntar o óleo e o sumo.

Em seguida, misturar a farinha e o coco.

Envolver então as rodelas de ananás cortadas aos pedacinhos.

Levar ao forno a 180º durante 40 minutos.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Bolo de chocolate vegan

Gosto sempre de encontrar receitas novas e fico sempre contente quando me deparo com algumas sem lactose. Não preciso de fazer adaptações, é só "roubar" a receita e usar na próxima oportunidade. Esta veio do Delícias Cá da Casa e funcionou lindamente! Só substituí as avelãs da receita original por nozes, porque era o que tinha em casa.




Ingredientes:

150 g de curgete
200 g de farinha de trigo integral
175 g de açúcar amarelo
50 g de nozes
50 g de cacau
125 ml de azeite
50 ml de água
1 colher de chá de fermento



Ralar a curgete. Partir as nozes no almofariz.

Juntar todos os ingredientes e bater bem.

Levar ao forno a 180º durante 30 minutos.



segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Magret de pato com pêra

Esta receita vem do blogue Juego de Sabores e foi muito apreciada cá em casa. A combinação do sabor da carne com o doce das pêras aromatizadas com vinagre balsâmico é perfeita, e o prato fica completo com as batatas passadas na gordura do pato. Uma refeição para ocasiões especiais!






Ingredientes:

2 peitos de pato (com 175 g cada)
2 pêras rocha
1 colher de sopa de vinagre balsâmico
50 g de açúcar amarelo
2 colheres de sopa de vinho do Porto
1 pauzinho de canela
Pimenta preta
Flor de sal
3 batatas


Temperar o peito de pato com a pimenta preta.

Descascar as pêras e retirar o caroço. Cortar em quatro cada uma.

Numa panela anti-aderente, juntar três colheres de água, o açúcar e o vinagre balsâmico. Adicionar o pau de canela e levar ao lume. Quando começar a borbulhar, juntar as pêras. Deixar cozinhar em lume brando até começar a caramelizar.

Acrescentar o vinho do Porto e deixar ferver em lume brando mais 10 minutos.

Entretanto, colocar uma panela ao lume com água e sal. Quando ferver, acrescentar as batatas cortadas em cubos e deixar alguns minutos, sem deixar cozer completamente.

Aquecer uma frigideira anti-aderente. Quando estiver bem quente, juntar os peitos de pato, com a gordura para baixo e deixar fritar durante 8 minutos, mantendo o lume vivo. Salpicar com flor de sal.

Virar a carne, deixar fritar três minutos e retirar do lume.

Cortar o peito em fatias, sem chegar a cortar a zona da gordura. Se gostar do magret mal passado, reservar. Se preferir no ponto médio, voltar a levar à frigideira mais três minutos.

Empratar a carne, juntar as pêras e regar com o molho. Reservar, mantendo quente.

Na gordura do pato, passar as batatas, acabando de as cozer desta maneira.

Servir com salada mista.

domingo, 11 de agosto de 2013

Tacos de batata doce e cogumelos

Mais uma receita com sabores mexicanos, usando umas belas batatas doces de produção nacional que vieram um dia destes parar cá a casa. Assadas no forno revestidas por um mole saboroso (e picante!), ficaram uma verdadeira delícia.

Gosto muito do mole poblano porque acho que o chocolate dá um toque muito exótico a uma receita salgada. Quer dizer, exótico para nós, porque para os mexicanos é o pão nosso de cada dia... Sempre que faço mole lembro-me da música da Lila Downs, La Cumbia del Mole. Divertido!

Esta receita teve como inspiração uma outra A House From the Hills. No entanto, sofreu muitas alterações, pelo que já nem sequer posso dizer que seja uma adaptação daquela.






Ingredientes:

8 tortilhas mexicanas de trigo
2 batatas doces de tamanho médio
450 g de cogumelos
6 dentes de alho
70 g de mistura de folhas para salada (escarola, canónigos, alface, rúcula)
2 colheres de sopa de coentros picados
Sumo de meio limão
Azeite
Sal
Pimenta

Mole:

1 colher de chá de oregãos
1/2 de colher de chá de canela em pó
2 colheres de chá de cacau magro em pó
1 colher de chá de sementes de coentro em pó
1 colher de chá de cominhos
1/2 colher de chá de pimentão doce
1/4 colher de chá de piri-piri
1 cravinho moído
Sumo de meio limão
1 colher de sopa de azeite




Pelar e cortar as batatas em palitos.

Juntar os ingredientes para o mole e misturar bem. Numa taça de vidro, juntar o molho e as batatas, envolvendo com as mãos até estas ficarem bem cobertas.

Levar ao forno a 200º durante 30 minutos.

Refogar os dentes de alho picados no azeite. Juntar os cogumelos cortados ao meio e saltear em lume brando até ficarem suaves. Acrescentar o sumo de limão.

Passar as tortilhas numa frigideira limpa (sem acrescentar gordura), uma a uma, para dourarem.

Em cada uma das tortilhas, colocar as folhas verdes, em seguida as batatas assadas e por cima os cogumelos.

Salpicar com coentros picados e enrolar os tacos.

Servir com uma salada de tomate e pepino.


sábado, 10 de agosto de 2013

Fritata de peru e legumes

Das terras beirãs, chegou um cabaz de produtos caseiros. Batatas, cebolas, couve, ervilhas-tortas, alhos e ovos do campo. Com o frigorífico subitamente cheio de ovos, lembrei-me de experimentar esta receita do Cinco Quartos de Laranja, que já me tinha apanhado o olho mas que ainda não tinha encontrado oportunidade para testar.

Com algumas adaptações, aqui está ela - testada e aprovada! Funciona muito bem como entrada, em pequenas porções, ou como prato principal numa refeição leve, com uma sopa e uma salada.



Ingredientes:

6 ovos
100 ml de nata de soja
1 colher de chá bem cheia de mostarda
1 cebola
2 dentes de alho
1 batata pequena
2 tomates
55 g de pimento
1 colher de sopa de salva picada
175 g de peru assado (pode substituir-se por frango no churrasco ou sobras de outras carnes)
Sal
Pimenta
Azeite


Picar a cebola e os alhos. Refogar no azeite.

Partir a batata em rodelas finas, o pimento e o tomate em cubinhos e desfiar a carne.

Quando a cebola estiver transparente, acrescentar os restantes legumes. Baixar para lume brando e deixar cozinhar dez minutos.

Acrescentar a carne e envolver bem. Retirar do lume, temperar com sal e pimenta e envolver a salva picada. Colocar num pirex de ir ao forno.

Bater os ovos com as natas e a mostarda. Verter sobre a mistura que está no pirex.

Levar ao forno a 200º durante 35 minutos.




sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Muffins de claras e ananás

Depois de fazer um curd de limão, ficaram-me a sobrar as claras. Tenho várias receitas de aproveitamento de claras, mas queria mesmo experimentar esta receita d'O Barriguinhas. Foi o que fiz, com algumas alterações, e ficaram uns muffins muito fofinhos. Foram muito apreciados, quer pela consistência, quer pelo sabor.





Ingredientes:

5 claras
125 g de açúcar amarelo
125 g de farinha de trigo integral
1 colher de sopa de sementes de papoila
3 rodelas de ananás


Cortar as rodelas de ananás em pedaços pequenos.

Bater as claras em castelo. Quando estiverem bem firmes, acrescentar o açúcar. Assim que estiver bem misturado, retirar da batedeira.

Envolver a farinha, o ananás e as sementes de papoila com uma colher de pau.

Colocar em formas de muffin e levar ao forno a 180º durante 24 minutos.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Pão de espécie

Esta receita foi-me passada por uma amiga, que por sua vez já a tinha recebido de outra amiga. É daquelas receitas que passam de mão em mão e cada pessoa faz as suas pequenas alterações consoante o gosto.

É um bolo excelente para acompanhar um chá ao final da tarde, para um piquenique ou um lanche em família ou para usar como refeição do meio da manhã durante os dias de trabalho. Para além disso, é muito versátil e pode servir de base para outras receitas, como triffles ou bolos às camadas.






Ingredientes:

200 g de farinha de trigo integral
130 g de açúcar amarelo
1 colher de sopa de açúcar baunilhado
150 ml de leite de soja
3 colheres de sopa de óleo de girassol
2 colheres de sopa de mel de cana
3 ovos
2 colheres de sopa de pão ralado
4 colheres de chá de canela
1 colher de chá de gengibre em pó
1 colher de chá de cravinho moído
1/4 colher de chá de noz moscada
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Misturar todos os ingredientes e bater bem.

Levar ao forno a 180º numa forma de bolo inglês durante 1 hora.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Frango com mel e laranja

Esta veio do blogue Sumptuous Spoonfuls, onde encontrei esta receita deliciosa. Esteve durante muito tempo na lista das receitas "a experimentar" e finalmente apareceu a ocasião. Em boa hora, porque o sabor é fantástico!




Ingredientes:

500 g de peito de frango
1 colher de chá de óleo de sésamo
1 colher de chá de óleo de girassol
1 cebola
3 dentes de alho
1 colher de sopa de amido de milho
1/2 colher de sopa de sementes de sésamo

Molho:

100 ml de sumo de laranja
2 colheres de sopa de molho de soja
1 colher de sopa de mel
1/2 colher de chá de óleo de sésamo
1 estrela de aniz moída no almofariz
1 pitada de canela
1 pitada de piri-piri


Juntar todos os ingredientes para o molho e reservar. Dourar as sementes de sésamo numa frigideira e reservar.

Picar a cebola e o alho. Numa frigideira, aquecer o óleo de sésamo e o de girassol. Juntar a cebola e o alho e deixar refogar até a cebola ficar transparente.

Acrescentar o molho. Quando levantar fervura, acrescentar quatro colheres de sopa de água e os peitos de frango cortados ao meio.

Tapar e deixar cozinhar em lume brando durante 20 minutos.

Retirar os peitos de frango para uma travessa e cortá-los às fatias, mantendo quente.

Triturar o molho com a varinha mágica, acrescentar o amido de milho. Levar a lume brando, mexendo sempre, até espessar.

Verter o molho sobre a carne, salpicar com as sementes de sésamo e servir de imediato.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Tarte de peixe com legumes

Mais uma receita de peixe que encontrei no livro Cozinhar Melhor Peixes, da editora Civilização. Sofreu várias adaptações, mas acabou por ficar bem saboroso.





Ingredientes:

550 g de filetes de pescada
600 g de batata
2 cebolas grandes
250 g de cogumelos
1 curgete
3 tomates
3 ovos
250 ml de caldo de legumes
350 ml de nata de soja
Sumo de um limão e meio
3 colheres de sopa de rama de funcho
Sal
Pimenta
Azeite


Colocar 100 ml de nata de soja numa taça e acrescentar sumo de meio limão. Deixar repousar.

Cozer as batatas com casca em água e sal. Escorrer, pelar e cortar em rodelas grossas.

Submergir os tomates em água a ferver durante 2 minutos. Escorrer, pelas e cortar em cubos.

Picar a cebola, fatiar os cogumelos e cortar a curgete em cubinhos pequenos. Cortar o peixe em tiras finas.

Refogar a cebola picada no azeite. Quando ficar transparente, juntar os cogumelos fatiados, tapar e deixar cozinhar durante cinco minutos, até os cogumelos libertarem a sua água.

Adicionar as rodelas de batata, envolver com cuidado para não as desfazer, tapar e deixar cozinhar mais dez minutos.

Adicionar o tomate picado e a curgete. Envolver e em seguida juntar o peixe. Misturar tudo e deixar cozinhar mais cinco minutos.

Adicionar o caldo de legumes e sumo de um limão. Temperar com pimenta e deixar cozinhar em lume esperto até o peixe estar cozido (cerca de dez minutos).

Bater os ovos. Juntar as natas com sumo de limão, as restantes natas e a rama de funcho. Bater bem até obter um creme. Temperar com sal e pimenta.

Com uma escumadeira, dispor a mistura de peixe e vegetais num tabuleiro retangular de ir ao forno. Descartar o líquido que restar.

Por cima, verter o creme, cobrindo o tabuleiro de forma homogénea. Levar ao forno a 200º durante 50 minutos.

Servir com uma salada mista.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Bolachas vegan de gengibre com pepitas de chocolate

Bolachas de gengibre só por si já são boas. Então juntando o chocolate, é a loucura. Mais uma associação maravilhosa, cuja consequência são umas bolachas deliciosas, que pedem para ser comidas uma atrás da outra.






Ingredientes:

2 colheres de sopa de sementes de linhaça
180 g de farinha de trigo integral
12 g de gengibre em pó
145 g de açúcar mascavado escuro
150 ml de óleo de milho
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 colher de chá de fermento
90 g de chocolate negro (sem lactose)


Moer as sementes de linhaça. Juntar três colheres de sopa de água e o aroma de baunilha.

Partir o chocolate em pepitas pequenas, usando o almofariz.

Juntar a farinha, o açúcar, o gengibre e o fermento. Adicionar as sementes de linhaça moídas e o óleo e amassar.

Por fim, acrescentar o chocolate partido.

Colocar pequenas porções de massa em tabuleiros forrados com papel vegetal, achatando com as costas de uma colher. Levar ao forno a 190º durante 16 minutos.


domingo, 4 de agosto de 2013

Panquecas de amêndoa com caramelo

Conhecem o blogue Holy Cow!? É uma excelente fonte de receitas vegan e lá descobri estas panquecas de amêndoa; assim que tive oportunidade, experimentei - e não me arrependi!

Cá em casa somos mais de crepes. Mas tínhamos que dar oportunidade às panquecas para mostrarem o que valem - e valem muito! Foram o nosso lanche de domingo (e já não precisámos de jantar!).





Ingredientes:

60 g de farinha de espelta
40 g de farinha de cevada
60 g de farinha de trigo integral
26 g de sementes de linhaça
250 ml de leite de amêndoas (caseiro, segundo esta receita)
60 g de amêndoa com casca
30 g de pasta de amêndoa (pode ser feita segunda esta receita, substituindo os amendoins por amêndoa)
70 g de açúcar amarelo
1 colher de chá de fermento
Uma pitada de sal
Óleo de girassol


Caramelo:

2 colheres de sopa de açúcar mascavado escuro
125 ml de nata de soja



Reduzir a linhaça a pó. Juntar 4 colheres de sopa de água e reservar.

Triturar a amêndoa em pó. Juntar à linhaça e adicionar o leite e a pasta de amêndoa. Bater bem.

Juntar as farinhas, o fermento, o sal e o açúcar. Verter a mistura anterior e envolver bem.

Aquecer uma frigideira anti-aderente. Cobrir o fundo com um fio de óleo.

Com uma concha de sopa, colocar um quarto da mistura na frigideira e espalhar um pouco com uma colher de pau. Deixar dourar.

Virar a panqueca com a ajuda de um prato e dourar do outro lado. Reservar, mantendo quente.

Repetir a mesma operação para as quatro panquecas. Colocar duas em cada prato e reservar, mantendo quente.

Na mesma frigideira, colocar o açúcar mascavado escuro, mexendo sempre. Juntar um golo de água, mexendo sempre até borbulhar e imediatamente juntar as natas de soja. Envolver bem e retirar do lume.

Verter sobre as panquecas e servir.

sábado, 3 de agosto de 2013

Caril de peixe birmanês

Sempre que quero algo com sabores indianos ou do sudoeste asiático, recorro à minha bíblia do caril - The World's Greatest-Ever Curries, de Mridula Baljekar. Desta vez tinha meia lata de leite de coco para gastar e uns filetes de solha a precisarem de encontrar um destino. Com algumas adaptações, saiu um caril fragrante, picante e vibrante.




Ingredientes:

400 g de filetes de solha
200 g de miolo de camarão
120 g de feijão verde
1 haste de citronela (conhecida em inglês como lemongrass, aparece no mercado designada como bolbo de erva-príncipe)
2 colheres de sopa de molho de peixe
1 malagueta
1 cebola
1 dente de alho
1 noz de gengibre (cerca de 10 g)
1 colher de chá de cúrcuma
200 ml de leite de coco
4 cebolos
Óleo de amendoim qb



Colocar o peixe e a citronela numa panela. Cobrir com água e levar ao lume. Quando começar a levantar fervura, adicionar o molho de peixe e os camarões e deixar ferver cinco minutos.

Retirar os camarões com uma escumadeira e reservar. Retirar também o peixe e desfiar. Reservar o líquido.

Retirar a citronela e cortar a raiz. Picar o restante grosseiramente e juntar a cebola, o gengibre, a malagueta, o alho e a cúrcuma. Triturar até obter uma pasta.

Numa tigela, juntar duas colheres do líquido de cozer o peixe com a farinha de arroz e mexer até formar uma pasta. Juntar o leite de coco com 300 ml do líquido de cozer o peixe e misturar com a farinha.

Aquecer o óleo no wok. Refogar a pasta obtida durante dois minutos e, em seguida, adicionar o líquido anterior. Deixar levantar fervura, mexendo sempre. Juntar o feijão verde e deixar novamente levantar fervura. Mexendo sempre, deixar fervilhar um minuto.

Juntar então o peixe e os camarões. Baixar para lume brando e deixar cozinhar dez minutos, mexendo de vez em quando.

Retirar do lume, envolver os cebolos picados e servir com arroz basmati.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Grão com funcho assado

Mais uma refeição vegetariana que nos agradou muito cá em casa. O funcho assado é sempre uma maravilha!






Ingredientes:

2 bolbos de funcho
1 cebola
2 dentes de alho
1 malagueta
85 g de pimento verde
1 cenoura
160 g de grão de bico cozido
2 colheres de sopa de polpa de tomate
1/2 colher de chá de manjericão seco
1/2 colher de chá de oregãos
Azeite
Sal
Pimenta


Cortar os talos do funcho e picar.

Cortar os bolbos em fatias grossas, que levam a assar no forno a 250º durante 30 minutos. Vai-se borrifando com água para não secarem e, se necessário, viram-se a meio da cozedura.

Picar a cebola e o alho. Levar a refogar no azeite com os talos do funcho.

Quando a cebola estiver transparente, juntar o pimento picado em cubinhos, a cenoura às rodelas e a malagueta aberta ao meio, sem sementes. Deixar cozinhar em lume brando.

Quando a cenoura estiver cozida, juntar a polpa de tomate e o grão de bico. Misturar bem e deixar cozinhar mais cinco minutos. Juntar então o manjericão, os oregãos e o funcho assado, envolver bem. Temperar com sal e pimenta e servir.



quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Hambúrgueres de feijão branco e batata doce

Mais uma versão de hambúrgueres vegetarianos, esta vinda deste site. A associação da batata doce com a textura do feijão resulta muito bem e faz um almoço vegetariano muito saboroso.





Ingredientes:

380 g de batata doce
400 g de feijão branco cozido
2 colheres de sopa de tahini (pasta de sésamo feita em casa, segundo as instruções do The Love Food)
1 colher de chá de cominhos
35 g de farinha de arroz
Flor de sal
Pimenta preta


Assar a batata doce com casca no forno durante 25 minutos a 230º.

Pelar e esmagar a polpa.

Triturar o feijão com a varinha mágica e juntar ao polme da batata doce. Adicionar o tahini e temperar com cominhos, flor de sal e pimenta preta.

Acrescentar a farinha de arroz, envolver bem e formar os hambúrgueres (rende 7 - 8 hambúrgueres).

Levar ao frio durante pelo menos uma hora.

Cozer no forno a 200º durante 35 minutos, virando a meio da cozedura.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...