quarta-feira, 22 de março de 2017

Tostas de trigo sarraceno com beterraba e creme de tofu

O desafio das Receitas Saudáveis voltou e não podíamos deixar de participar! Desta vez, o Limited Edition propõe-nos pensar sobre o que consideramos uma alimentação / vida saudável.

Não é um assunto fácil - pelo contrário, é um tema que provoca muita polémica e muitas convicções apaixonadas (e por vezes mesmo algum fanatismo). Para mim, uma vida saudável é aquela onde me sinto realizada, contente com a direção que a minha vida leva e satisfeita de modo geral com as decisões que tomo a cada dia, nomeadamente aquelas que implicam diretamente com o cuidado que tenho comigo e com a minha família.

Em termos de alimentação, acredito que cada pessoa tem que informar-se, ouvir o seu corpo e encontrar a sua própria forma de comer, aquela que é boa para si (para o corpo e para a mente, porque os dois não se podem dissociar) e que lhe faz sentido.

E como é que isso se concretiza? Na minha vida, é algo que foi mudando com o tempo, à medida que a idade foi avançando, com novas experiências na vida, com novas investigações que vêm a lume e de que tomo conhecimento, que me convencem a mudar isto ou aquilo na minha alimentação. O diagnóstico da minha intolerância à lactose foi uma grande mudança na minha vida, porque obrigou a toda uma nova organização da alimentação cá em casa. A chegada à minha vida do meu companheiro foi outra transformação. Mais tarde, a vivência da gravidez e a chegada de um bebé também me levaram a alterações importantes.

Neste momento, uma alimentação saudável para mim é aquela que se baseia maioritariamente em produtos biológicos, o mais diversificados possível (vou sempre à procura do legume que nunca experimentei ou da fruta que como menos vezes), alimentos não processados, sopa ao almoço e ao jantar durante todo o ano,  uma quantidade controlada de hidratos de carbono, utilização de gorduras "do bem" (azeite, óleos vegetais não refinados processados a frio, óleo de coco, frutos secos, abacate), pouco açúcar (uso muitas vezes o açúcar da fruta ou de alguns legumes, conjuntamente com um toque de stevia granulada, quando faço doces cá em casa), uma quantidade moderada de sal.

Com a gravidez e a amamentação aumentei a ingestão de proteína animal, complementando-a na refeição seguinte com proteína vegetal, vinda sobretudo do tofu e das leguminosas. Mas em tempos normais, a carne e o peixe aparecem no menu cá de casa duas a três vezes por semana, e as refeições restantes são vegetarianas, à base de ovos, ou claramente vegan. Para compensar, atualmente o álcool não tem lugar no meu regime alimentar, mas assim que deixar de amamentar, um ou dois copos de vinho ao sábado à noite não me escapam!

Claro que nada disto faz sentido se não for acompanhado com uma boa quantidade de alegria e entusiasmo, com relações emocionais que nos enchem as medidas, com uma dose importante de prazer, para contrabalançar as dores que sempre vamos vivendo na vida.

Por isso é que não deixámos de receber pessoas em casa, mesmo com um bebé pequeno, e com receitas surpreendentes, saborosas e saudáveis! Muitas vezes as pessoas associam o saudável ao desenxabido - estas tostas com creme de tofu e beterraba vêm contrariar totalmente isso. Os sabores são fortes e o visual conta muito - porque já se sabe que os olhos também comem!

Uma outra versão fantástica destas tostas surge quando se substitui a beterraba por abacate. Uma delícia!

Se quiserem também participar neste desafio, basta enviarem um email para lim.edition2012@gmail.com. Se reproduzirem na vossa cozinha esta proposta ou outras do desafio, utilizem o #desafioreceitasaudável e partilhem as vossas versões e interpretações. Vamos contribuir para um estilo de vida mais saudável, que passa pela comida, mas não se esgota nela!






Ingredientes:


2 beterrabas
Sal
Pimenta

Tostas (adaptado do Our Food Stories)

125 g de farinha de trigo sarraceno
125 g de flocos de trigo sarraceno
50 g de sementes de girassol
50 g de sementes de sésamo
80 g de sementes de linhaça
20 g de sementes de papoila
1 colher de chá de sal fino
2 colheres de sopa de azeite
350 ml de água

Creme de tofu (adaptado do Booklet de queijos vegan da Gopal)

200 g de tofu
75 ml de azeite
1/2 colher de chá de poejo seco
1/2 colher de chá de oregãos secos
1/2 colher de chá de alho em pó
1/2 colher de chá de flor de sal
50 ml de água
1 pitada de açúcar mascavado escuro


Cozer as beterrabas em água a ferver. Depois de cozidas, tirar a pele e cortar em fatias grossas. Com um cortador de bolachas, cortar as formas desejadas e reservar.

No liquidificador, juntar todos os ingredientes para o creme. Triturar bem até obter uma consistência homogénea. Retificar os temperos, se necessário.

Para as tostas, juntar todos os ingredientes secos e misturar. Adicionar a água e o azeite e bater levemente. Deixar repousar durante 20 minutos.

Espalhar a mistura num tabuleiro forrado com papel vegetal. Levar ao forno pré-aquecido a 160º durante 20 minutos.

Retirar do forno e, com uma faca afiada, traçar as linhas das tostas, sem cortar completamente.

Voltar a levar ao forno mais 40 minutos. Desligar o forno e deixar a terminar a cozedura mais 10 minutos.

Retirar do forno e cortar de acordo com as linhas desenhadas.

Num prato, colocar uma tosta. Barrar com o creme. Dispor as estrelas de beterraba por cima e temperar com sal e pimenta. Guarnecer com algumas folhas de rúcula.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Caril tailandês de peixe e abóbora

O caril tailandês é sempre bem vindo cá em casa! Este é uma adaptação de uma receita do livro Tailândia, de Oi Cheepchaiissara, que faz parte da coleção Sabores do Mundo, editada pelo Círculo de Leitores.

É um caril de peixe particularmente interessante porque o peixe é apresentado em almôndegas, que são cozidas num caldo bem aromático. Fica uma verdadeira delícia!




Ingredientes:


500 g de pescada (ou outro peixe branco) sem peles e sem espinhas
1/2 abóbora manteiga
4 dentes de alho
1/2 molho de coentros
1 1/2 colher de sopa de farinha de milho
1 1/2 colher de sopa de pasta de caril tailandês
400 ml de caldo de legumes
200 ml de leite de coco light
2 colheres de sopa de molho de peixe tailandês
1 colher de chá de açúcar mascavado escuro
2 1/2 colheres de sopa de óleo de coco
1 cebolo
Sal
Pimenta


No processador de alimentos, colocar o peixe, o alho, os coentros, a farinha de milho, uma colher e meia de óleo de coco, sal e pimenta. Triturar até obter uma pasta. Com esta pasta, fazem-se cerca de 30 pequenas almôndegas, que se reservam.

Cortar a abóbora em cubos.

Numa panela, aquecer uma colher de sopa de óleo de coco. Fritar a pasta de caril durante dois minutos.

Adicionar então o caldo de legumes e quando levantar fervura, acrescentar a abóbora, que se deixa cozinhar até estar tenra (mas não desfeita).

Juntar à panela o leite de coco, o molho de peixe e o açúcar e misturar. Dispor com cuidado as almôndegas no caldo e deixar cozinhar 5 minutos. Retirar do lume e deixar tapado durante 10 minutos.

Servir com arroz tailandês, salpicado com cebolo picado.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Salada de aipo-nabo, maçã e avelãs

À procura de uma salada saborosa à base de aipo-nabo, que costumo comprar no mercado biológico, encontrei esta receita no Les Foodies. O aipo-nabo faz um sucesso estrondoso cá em casa e de facto é um tubérculo com um sabor único! Esta salada, tão fácil de fazer, faz um brilharete como entrada em qualquer jantar com amigos.




Ingredientes:

1/2 bolbo de aipo-nabo
1 maçã pequena
1 chalota
2 colheres de sopa de coentros picados
1 colher de sopa de vinagre balsâmico
1 colher de sopa de azeite
1 colher de chá de mostarda Dijon
1 colher de chá de xarope de agave
10 avelãs ligeiramente tostadas
Sal
Pimenta


Ralar o aipo-nabo. Cortar a maçã com casca em cubinhos. Picar finamente a chalota.

Numa taça, juntar o vinagre, o azeite, a mostarda, o xarope de agave, sal e pimenta. Misturar bem.

Adicionar os legumes, bem como os coentros, e mexer até ficarem bem cobertos com o tempero.

Dispor a salada em dois pratos. Partir grosseiramente as avelãs e salpicar a salada com elas.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Chutney de couve roxa

Retirei esta receita do programa Chef de Raiz, que costumo acompanhar. Pareceu-me um acompanhamento perfeito para uma refeição especial e não me enganei! A mistura de sabores é deliciosa e o aspeto fica divinal. Pode comer-se quente ou frio e é formidável das duas maneiras, acompanhando carnes vermelhas ou hambúrgueres vegetarianos.




Ingredientes:

1/2 couve roxa
1 cebola roxa
15 g de gengibre fresco
15 g de sementes de mostarda
5 g de pimenta da jamaica
Sal
80 g de açúcar mascavado escuro
50 ml de vinagre de sidra
Azeite


Hidratar as sementes de mostarda durante 45 minutos.

Colocar um tacho ao lume com uma fundo de azeite. Cortar a cebola e a couve em fatias muito finas e colocar no tacho bem quente. Deixar cozinhar 2 minutos.

Cortar o gengibre em tiras finas e moer a pimenta da Jamaica. Adicionar os temperos ao tacho, bem como o sal e o açúcar.

Juntar também o vinagre e deixar cozinhar tapado durante 25 minutos. Retirar do lume e deixar tapado até amornar.

Servir como guarnição quente ou frio. Pode guardar-se no frigorífico em recipiente hermeticamente fechado, conservando-se durante bastante tempo.


segunda-feira, 6 de março de 2017

Batatas Dauphine

Para a celebração de um aniversário especial, fui à procura de uma receita diferente de batatas. Tinha na cabeça as batatas noisette, mas não queria fazer fritos; a pesquisar na internet acabei por encontrar esta receita.

Fiquei interessada nesta espécie de profiteroles de batata e curiosa acerca do sabor e da textura deste acompanhamento tão francês. Uma receita antiga, cuja primeira referência se encontra em 1864, diz-se que foi criada pelo chef do Dauphin, conde de Viennois, numa ocasião em que o senhor estava atrasado para o jantar. Já se sabe que a necessidade aguça o engenho!

Com esta receita, descobri que prefiro claramente a massa choux em pratos salgados, suspeita que tinha desde que provei os éclairs salgados do L'Éclair. Não sendo eu uma fã incondicional de profiteroles, éclairs e outros bolos feitos com massa choux, percebi o potencial que esta tem em pratos salgados, dando uma textura formidável ao puré de batata.







Ingredientes:

500 g de batata
125 g de farinha de trigo branca
250 ml de água
70 ml de óleo de sésamo não tostado (ou outro óleo vegetal de sabor neutro)
4 ovos
Sal


Cozer as batatas em água e sal. Quando cozidas, esmagar com um garfo.

Levar ao lume a água com o óleo e meia colher de chá de sal grosso. Quando levantar fervura, retirar do lume e juntar de uma vez só a farinha. Bater energicamente com uma colher de pau.

Voltar a levar ao lume, mexendo sempre com a colher de pau, até a massa descolar das paredes da panela.

Retirar do lume e acrescentar um ovo de cada vez, batendo bem entre cada adição. Juntar o puré de batata e misturar bem. Adicionar um pouco de água se a mistura estiver demasiado espessa.

Colocar a mistura no saco de pasteleiro com o bico mais largo. Forrar um tabuleiro de ir ao forno com papel vegetal e depositar pequenas porções de massa, com algum espaço entre elas. Em alternativa, pode usar-se uma colher e formar pequenas bolinhas (como se fossem profiteroles).

Levar a forno pré-aquecido a 200º durante 30 minutos.

domingo, 5 de março de 2017

Fajitas de cogumelos, abacate e creme de caju

Vi estas fajitas num vídeo do facebook e fui descobrir o site So Vegan, onde encontrei esta receita. Fiz as minhas adaptações e saiu uma refeição bem saborosa.





Ingredientes:


6 tortilhas de trigo integrais (de preferência caseiras)
350 g de cogumelos marron
1 pimento vermelho
1 cebola roxa
4 dentes de alho
1 colher de chá de cominhos em pó
1 colher de chá de pimentão doce em pó
2 abacates pequenos
3 colheres de sopa de coentros picados
Azeite
Sal
Pimenta

Creme de caju

250 g de caju neutro demolhado de um dia para o outro
170 ml de sumo de limão (equivalente a dois limões médios)
1 dente de alho
1 colher de chá de flor de sal
1 colher de chá de oregãos
60 ml de azeite
100 ml de água
1 colher de sopa de levedura de cerveja


Para o creme de caju, juntar todos os ingredientes no liquidificador e bater até obter um creme homogéneo. Acrescentar um pouco de água se necessário.

Fatiar os cogumelos. Cortar a cebola em meias luas e os pimentos em tiras. Picar o alho.

Numa taça, juntar os legumes, o alho, o pimentão doce e os cominhos. Temperar com sal e pimenta e regar com um fio de azeite.

Levar ao forno a 200º até os legumes estarem assados.

Esmagar a polpa dos abacates com um garfo. Adicionar duas colheres de sopa de coentros picados e temperar com sal e pimenta. Misturar bem.

Aquecer as tortilhas numa frigideira anti-aderente sem acrescentar gordura.

Barrar cada tortilha com uma colher de sopa de abacate. Por cima, colocar um sexto dos legumes assados e finalizar com uma colher de sopa bem cheia de creme de caju. Fechar as tortilhas e salpicar com os restantes coentros.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...